quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Servidores têm direito de escolher em qual banco receber salário, Prefeitura de Sarandi é exemplo

Desde a última segunda-feira, funcionários públicos de todas as esferas de governo passaram a ter o direito de escolher em qual banco preferem receber os salários. A indicação para transferência do salário para uma conta diferente da aberta pelo empregador deve ser feita por escrito. O banco é obrigado a aceitar a ordem no prazo de até 5 dias úteis e os recursos devem ser transferidos para o banco escolhido no mesmo dia do crédito do salário.

O benefício deve acabar com um mercado que nos últimos anos se transformou numa mina de ouro para as prefeituras: a venda da administração das folhas salariais dos servidores. Sem regras definidas, os bancos promoviam intensa disputa, oferecendo fortunas às prefeituras para obter o direito de gerenciar as contas de pagamentos dos servidores.

A prefeitura de Sarandi, na região metropolitana de Maringá, é um exemplo. Fechou negócio com a Caixa Econômica Fedral (CEF) no começo de dezembro por R$ 1,5 milhão. Outro exemplo é Curitiba, que fechou acordo com o Santander, em julho, por R$ 140,5 milhões.


Corrida

As novas regras devem criar uma corrida dos bancos, que até então não atendiam servidores, para conquistar novos clientes. O Santander, por exemplo, foi um dos primeiros a oferecer vantagens, como um cartão de crédito livre de anuidade e tarifas, para o funcionário público que abrir conta salário. Com forte atuação no Rio Grande do Sul, onde atende 500 mil servidores, o Banrisul também anunciou tarifas mais atrativas para novos clientes.

Itaú, Bradesco e CEF avisaram estar preparados para atender os novos clientes. A CEF informou que os servidores que optarem por receber o salário na Caixa contarão com benefícios especiais, que incluem crédito imobiliário com taxas reduzidas, limites pré-aprovados em operações de crédito comercial como cheque especial, CDC e cartão de crédito e condições especiais para crédito consignado.

Quem poderia ser o maior prejudicado com a liberdade dada aos servidores seria o Banco do Brasil (BB), principal banco a administrar contas de funcionários públicos no País, com mais de 76% do mercado. Mas a direção do BB garantiu que não espera perder clientes com a nova regra. Segundo a direção, o banco tem investido em estratégias, inclusive pensando em crescimento.

O QUE É

A conta-salário serve somente ao pagamento de salários, aposentadorias, pensões, proventos, soldos, vencimentos e similares. O cliente não tem direito a talão de cheques e não pode receber outros depósitos.
Fonte: O Diário,Edmundo Pacheco

Um comentário:

  1. O PREFEITO NÃO ESTA FAZENDO MAIS DO QUE A OBRIGAÇÃO, POIS ESMAMOS NUMA DEMOCRACIA MESMO SENDO UM POUCO DISFARÇADA PARA ALGUNS LEIGOS QUE NÃO ENTENDEM BEM DE LEIS. EU SOU FUNCIONARIO PÚBLICO ESTADUAL E NENHUM GOVERNANTE ME OBRIGOU EU RECEBER MEU PAGAMENTO EM DETERMINADO BANCO, MESMO O BANCO OFICIAL DO GOVERNO SER A CAIXA E O BANCO DO BRASIL.

    ResponderExcluir