segunda-feira, 13 de junho de 2011

Campanha de Vacinação Contra Paralisia Infantil começa nesta terça-feira em Maringa e região

A Secretaria de Saúde inicia nesta terça-feira (14), a primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação Contra Paralisia Infantil, que no sábado, 18 de junho estará com 90 pontos de vacinação por toda a cidade e nos distritos de Iguatemi e Floriano. O lançamento da campanha será nesta terça-feira, às 9 horas, no Centro Municipal de Educação Infantil Alexandre e Sophia Rasgulaeff, na alameda Dr. João Paulino Vieira Filho, 29, no Jardim Alvorada.
      Até sexta-feira serão vacinadas todas as crianças dos Centros Municipais de Educação Infantil. No sábado, a campanha vai para as ruas das 8 às 17 horas para todas as crianças menores de cinco anos. “Os pais devem levar os filhos em um ponto de vacinação no sábado, para alcançarmos a meta de imunizar 95% das crianças com até cinco anos e manter a paralisia infantil longe do Brasil”, diz o secretário de Saúde de Maringá, Antônio Carlos Nardi.
       A população alvo nesta etapa é de 21.315 crianças a serem vacinadas, com meta mínima a atingir de 95% desse total. Embora a erradicação global esteja avançando, países livres da poliomielite precisam, não só ter uma adequada Vigilância das Paralisias Flácidas Agudas (PFA), como manter altas e homogêneas coberturas vacinais contra a poliomielite, tanto nas ações de rotina, como nas campanhas de vacinação.
Cenário global
     Este é o 32º ano de Campanhas Nacionais de Vacinação contra a Poliomielite, 22º ano sem a doença no país. Atualmente esta estratégia tem como objetivo garantir a não reintrodução da doença no território brasileiro. No cenário global atual, dados da   Organização Mundial de Saúde (OMS) demonstram que 22 países ainda registram casos de poliomielite, sendo quatro desses endêmicos: Afeganistão, Índia, Nigéria e Paquistão e os demais restabeleceram a transmissão devido a importação de casos da doença, sendo eles a República Democrática do Congo, Chade, Angola, Côte d’Ivoire, Mali, Congo, Niger, Gabão, Uganda, Federação Russa, Liberia, Nepal, Kazaquistão, Tajiquistão, Turcomenistão, Senegal, Mauritânia, e Serra Leoa.
      Em 2010 foram registrados 1.292 casos, sendo 232 (17,95%) nos países endêmicos e 1060 (82,05%) nos países não endêmicos. Segundo dados da OMS, as campanhas de vacinação contra a poliomielite serão realizadas, este ano, em 44 países.
Única etapa
     A partir de 2012, o Brasil irá realizar uma única etapa da Campanha de Vacinação contra a Poliomielite, bem como estar introduzindo a vacina inativada poliomielite (VIP) no Calendário de vacinação da criança com esquema sequencial com a vacina oral poliomielite (VOP). Para tanto, será necessário, neste momento de transição, que os Estados e Municípios avaliem suas coberturas vacinais, identifiquem bolsões de não vacinados e programem as ações de intensificação de modo a alcançarem coberturas vacinais de no mínimo 95% de forma homogênea.
     O plano de ação desta nova estratégia será apresentado para todas as Secretarias estaduais e municipais de Saúde, no segundo semestre de 2011. Todas as ações da vigilância das paralisias flácidas agudas devem ser implementadas de forma ativa, buscando cumprir as metas estabelecidas.
     A vacinação é indiscriminada, todas as crianças com idade entre zero e menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias) deverão ser vacinadas com a vacina oral poliomielite independente de tê-la recebido anteriormente, sendo que as doses administradas em crianças menores de dois meses não deverão ser consideradas como doses válidas, devendo o responsável, ser orientado a retornar ao serviço de saúde, para iniciar o esquema.
    A vacina confere proteção contra os três sorotipos do poliovirus I, II e III, e sua eficácia é em torno de 90% a 95% com a administração de uma dose. Para uma imunidade longa, frente aos tipos de poliovirus, faz-se necessária uma série completa do esquema básico, ou seja, três doses. Assim, praticamente 100% dos vacinados terão proteção garantida.
    A administração é mais simples, sendo bem aceita pela população e possibilita a imunização dos contatos das pessoas vacinadas, em razão da disseminação do poliovirus no ambiente, viabilizando a eliminação da doença causada pelo poliovirus selvagem. A vacina é recomendada pela OMS para regiões com índices de coberturas vacinais baixos ou heterogêneos.
    Parte da vacina a ser utilizada nas duas etapas da campanha nacional de vacinação contra a poliomielite no ano 2011 foi envasada pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiologicos – Bio-Manguinhos/FIOCRUZ/RJ, e parte foi importada (Laboratórios Novartis/ Chiron e GSK).

Nenhum comentário:

Postar um comentário