segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Seminário de Saúde Mental em mandaguari foi um sucesso


Mais de trezentas pessoas participaram na última sexta-feira (5) do II Seminário Municipal de Saúde Mental de Mandaguari, realizado no Centro de Convenções “Décio Bacelar”, pela Secretaria de Saúde, por intermédio da equipe do CAPS (Centro de Atenção Psicossocial). O tema central foi: “As Psicopatologias na Atualidade”.
         O prefeito Cileninho participou da abertura do evento e disse estar satisfeito com o trabalho da equipe do CAPS. “Quando aderimos ao projeto do Governo Federal para a humanização do atendimento nessa área, sabíamos que se tratava de um programa que teria bons resultados e agora, com quatro anos de atividades, temos cerca de trezentas pessoas sendo atendidas por uma equipe que conta com psicólogo, psiquiatra e assistentes sociais”, frisou.
         A assistente social Daniela Conte Simões, coordenadora do CAPS, fez um balanço das atividades desenvolvidas no local desde a sua inauguração. “Temos uma equipe que faz a diferença e que busca melhorar a qualidade de vida e a autoestima de pessoas com transtornos mentais, que enfrentam problemas com álcool e drogas e temos alcançado ótimos resultados”.
         O público alvo do seminário foram os profissionais da Assistência Social, Educação e Saúde. Assuntos que serão abordados: O mal estar na atualidade, as patologias do vazio, a medicalização do sofrimento psíquico e diálogo entre psicologia, psicanálise e psiquiatria. Proferiram palestra os profissionais Cleto Rocha Pombo Filho (médico psiquiatra, psicoterapeuta, especialista em psicoterapia pela USP-SP) e Rogério Thaddeu (psicólogo e psicoterapeuta, além de especialista em saúde mental).
         O CAPS - O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) é um serviço comunitário que tem como papel cuidar de pessoas que sofrem com transtornos mentais, em especial os transtornos severos e persistentes, no seu território de abrangência. O CAPS deverão obedecer a alguns princípios básicos: devem se responsabilizar pelo acolhimento de 100% da demanda dos portadores de transtornos severos de seu território, garantindo a presença de profissional responsável durante todo o período de funcionamento da unidade (plantão técnico) e criar uma ambiência terapêutica acolhedora no serviço que possa incluir pacientes muito desestruturados que não consigam acompanhar as atividades estruturadas da unidade. A atenção deve incluir ações dirigidas aos familiares e comprometer-se com a construção dos projetos de inserção social. Devem ainda trabalhar com a idéia de gerenciamento de casos, personalizando o projeto de cada paciente na unidade e fora dela e desenvolver atividades para a permanência diária no serviço.
Os projetos terapêuticos dos CAPS devem ser singulares, respeitando-se diferenças regionais, contribuições técnicas dos integrantes de sua equipe, iniciativas locais de familiares e usuários e articulações intersetoriais que potencializem suas ações. O CAPS deve considerar o cuidado intra, inter, e transubjetivo, articulando recursos de natureza clínica, incluindo medicamentos, de moradia, de trabalho, de lazer, de previdência e outros, através do cuidado clínico oportuno e programas de reabilitação psicossocial.

5 comentários:

  1. Este seminário realmente foi muito interessante. As palestras dos profissionais foram bastante atuais. Gostei muito da visão do psiquiatra que utiliza a medicação, somente quando necessária. O psicoterapeuta e escritor Rogério Thaddeu, mostrou uma análise ampla da sociedade atual e o sofrimento psíquico, partindo de sua experiência com pacientes psicóticos e sobretudo, as chamadas, patologias do vazio. Muito interessante. Parabéns Mandaguari pelo alto nível da saúde mental.
    Fábio Hartmann
    professor universitário
    sociólogo

    ResponderExcluir
  2. Este seminário realmente foi muito interessante. As palestras dos profissionais foram bastante atuais. Gostei muito da visão do psiquiatra que utiliza a medicação, somente quando necessária. O psicoterapeuta e escritor Rogério Thaddeu, mostrou uma análise ampla da sociedade atual e o sofrimento psíquico, partindo de sua experiência com pacientes psicóticos e sobretudo, as chamadas, patologias do vazio. Muito interessante. Parabéns Mandaguari pelo alto nível da saúde mental.
    Fábio Hartmann
    professor universitário
    sociólogo

    ResponderExcluir
  3. Já tive a oportunidade de assistir o psicoterapeuta Rogério Thaddeu e, com o seu jeito peculiar, consegue falar de temas complexos com simplicidade e ao mesmo tempo, com profundidade e coerência, sem cair no senso comum. Thaddeu, consegue despertar o interesse de uma variedade de públicos. Parabéns Dr. Rogério Thaddeu.
    Eliane S. Lopes - Educadora

    ResponderExcluir
  4. Gostaria de saber se há algum vídeo da palestra proferida pelo psicoterapeuta Rogério Thaddeu.
    Foi muito interessante.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom. O Dr. Rogério Thaddeu com sua facilidade de exploração de temas atuais, conseguiu despertar o interesse do público bastante variado, sem perder de vista a profundidade, coerência e didática em discutir a saúde mental, partindo de uma visão psicanalítica e social.
    O psiquiatra Dr. Cleto também fez uma crítica ao modelo biologizante, buscando abordar sobre a importância dos laços afetivos. Muito bom.
    Hugo Morais Vernick - Médico

    ResponderExcluir