quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O setor público é um dos ambientes de trabalho onde o assédio se apresenta de forma mais visível e marcante.

O setor público é um dos ambientes de trabalho onde o assédio se apresenta de forma mais visível e marcante.
Muitas repartições públicas tendem a ser ambientes carregados de situações perversas, com pessoas e grupos que fazem verdadeiros "plantões" de assédio moral. Muitas vezes, por falta de preparo de alguns chefes imediatos, mas com freqüência por pura perseguição a um determinado indivíduo.
Neste ambiente, o assédio moral tende a ser mais freqüente em razão de uma peculiaridade: o chefe não dispõe sobre o vínculo funcional do servidor. Não podendo demiti-lo, passa a humilhá-lo e a sobrecarregá-lo de tarefas inócuas.
Outro aspecto de grande influência é o fato de que, no setor público, muitas vezes, os chefes são indicados em decorrência de seus laços de amizade ou de suas relações políticas, e não por sua qualificação técnica e preparo para o desempenho da função.
Despreparado para o exercício da chefia, e muitas vezes sem o conhecimento mínimo necessário para tanto, mas escorado nas relações que garantiram a sua indicação, o chefe pode tornar-se extremamente arbitrário, por um lado, buscando compensar suas evidentes limitações, e, por outro, considerando-se intocável.
Mas o assédio moral existe também entre colegas da mesma hierarquia de trabalho e o sofrimento da vitima  e o mesmo.
Quem deve provar o assédio moral e que tipo de prova pode ser usada?
A dificuldade quando se é vítima de assédio moral é que ela é uma agressão difícil de provar . O assediador , claro, nega a realidade da agressão e as testemunhas (que, em grande parte das situações, são traba- lhadores que se relacionam diariamente com o assediador) também não querem interferir porque temem represálias eventuais.
Ainda assim, o ônus da prova incumbe a quem alega, ou seja, à vítima. Cita-se, como exemplo de provas a serem utilizadas, bilhetes e mensagens ele-trônicas.
Mesmo ante a discussão a respeito da validade das gravações telefônicas e ambientais, é possível também a sua realização.
Destaca-se que a indenização por danos materiais depende da comprovação do fato (assédio), do prejuízo e da relação de causalidade entre eles.
No caso dos danos morais, a prova é do fato (assédio), isso porque não há como produzir prova da dor , do sofrimento, da humilhação; assim, uma vez provado o assédio, presumem-se os danos morais.

 EM NOSSA REGIÃO INFELIZMENTE TEMOS CASOS COMO ESTES.
CASOS QUE ESTÃO SENDO APURADOS JUNTO AOS SETORES COMPETENTES .
 leia mais
 Fonte: blog cons.psic.popular

Nenhum comentário:

Postar um comentário